Translate

sexta-feira, 15 de junho de 2018

Celebrando os mais de 150.000 acessos na página deste Blogue do Lado Avesso


Muito obrigado, de coração, a você leitor(a) que acompanha este 
Blogue do Lado Avesso. Um agradecimento especial, neste ponto, 
comemorativo aos mais de 150.000 (cento e cinquenta mil) acessos 
na página do Blogue, digo isso com muita alegria!

Quando iniciei o Blogue, algo tímido, eu não pensava ir tão longe, 
mas como bem disse o poeta “longe é um lugar que não existe” (Richard Bach).

Este Blogue representa o avesso das coisas que vão pelas ruas deste mundo, 
de quantos valores invertidos. Como poeta eu gostaria tanto de desvirar todas essas coisas, colocá-las do lado melhor possível para cada um, para todos nós, um lado 
mais inclusivo, menos competitivo, com certeza mais poético, belo e humano. 

Oxalá, eu consiga através do Blogue, ao menos um pouco, recriar essa realidade dura, mercantilista, que possa dar asas aos sonhos, materializá-los em versos, 
com a ajuda de todas as artes e 
com palavras proclamar um tempo esperançado do porvir...

Ismael Machado
Poeta e editor

quarta-feira, 13 de junho de 2018

Parabéns ao grande poeta e mestre Fernando Pessoa e aos seus heterônimos


Gratidão à professora Raquel Naveira pela belíssima palestra sobre a vida e obra de Fernando Pessoa, no aniversário de 130 anos dele, hoje 13.06,
evento na Casa Fernando Pessoa - MS, donde saímos ébrios de poesia.
Gratidão, também, aos anfitriões Silvio Santana e Marli.

"À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo."
F. Pessoa



sexta-feira, 8 de junho de 2018

Como uma folha ao vento, caída sobre pedras...

Quem és tu, poeta? Grafado entre tuas alcunhas, flutuante sobre estas linhas...

Com a ousadia de quem pensa e responde, nessa missiva, tu me dizes: ­­

      Eu sou alguém entre o humano e o divino, um tanto profano, com os meus
enganos... Certamente, imprecisamente, algo estético que o poético, profundamente, esse cupido, composto de estrofes, 
atrevido em moléculas e melodias,
assim, ele fez de mim.

Eu sou Fernando Bandeira, nascido sob suas folhas de março, 
William Whitman num devaneio de sonho e pó e Oswald Barros naquelas folhas ao vento, caídas sobre pedras, nesse chão de quantos dias de jornada... 
Todos eles, pseudônimos a me encaminharem aos inimaginados heterônimos 
que me habitam  e nem sequer sei revelar, eles consubstanciados 
nessa persona, que ora ousado se chama, simplesmente, 

Ismael Machado.